sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

[Livros] A Seleção

NADA DE PLAGIAR, REBLOGAR OU COPIAR AQUI NESTE BLOG! É CRIME!


Hello, gente bonita!

 Eu nem posso acreditar que é quase Natal! E, para o caso de não saberem, faço anos dia dezassete, por isso como prenda, podiam COMENTAR aqui no blogue, que me faria muito feliz. Quer dizer, só demora uns segundinhos e há de me alegrar o coração durante várias horas, senão mesmo dias. Nem que seja para falar mal! A sério, gente, é que eu chego a ter trinta visualizações num post e zero comentários.
 Por isso Please, gastem um tempinho do vosso dia para me fazer feliz, sim?!
 Okay, já parei.
 Prontos para o post? Lets go...

 *let it go... let it go... and please comment my blog... let it go... let it go... it would make such a happy girl..."




 Então, para quem não sabe, a trilogia "A Seleção" é um conjunto de três livros distópicos - dah, mas Rae, tu só lês dessas cenas? Olhem, calhou, paciência.

 A história passa-se nos Estados Unidos, actualmente apelidados de "Ilhéa". Em vez de estados, temos Castas. Cada casta está determinada a trabalhar numa determinada área *coff... coff... The Hunger Games... coff... coff* (por exemplo, os da Casta Cinco, que é a casta da personagem principal, são artistas, e não podem fazer mais nada na vida se não ser artistas). Aquilo é tudo muito pobre, ninguém tem dinheiro, quem é feliz é porque finge, há um monte de regras parvas, aquilo é uma monarquia e blá blá blá.


 A personagem principal, América *interessante, muito interessante*, está apaixonada pelo Aspen, que é da Casta Seis. Ou seja, ele é inferior a ela, e os dois não podem ficar juntos porque isso significa a América descer de Casta *machismo, porque não podia o Aspen subir de Casta?* e tornar-se ainda mais pobre.

O Aspen é um rapazinho simpático e muito engraçado, que em prole do amor que sente por América e por saber que os dois não podem ficar juntos, inscreve-se no exército ou lá o que é e manda a América inscrever-se na Seleção.

 O que é a Seleção?, perguntam vocês, e perguntam muito bem? 
 A Seleção é uma espécie de concurso *again, coff... coff... The Hunger Games... coff* onde as raparigas de cada casta se inscrevem para poderem casar com o príncipe. Parece que lá os príncipes têm de casar com uma mulher do povo, para dar "esperança" às pessoas (nos jogos da fome eles dão um vencedor e depois transformam-no num Finnick, eca, quer dizer, prostituto)  e as princesas casam-se com príncipes doutros reinos.

 Adivinhem o que acontece? Ela é escolhida, com mais não sei quantas tipas para irem para o castelo e conquistarem o príncipe Maxon.
 E mais: América não quer estar lá, e ela deixa isso bem claro para o príncipe, por isso os dois fazem uma espécie de acordo: Maxon não a manda embora e dá dinheiro à família dela, e América ajuda-o a escolher uma futura esposa.

 O que acham até agora?
 Parece interessante, não é?

 Fiquem-se pelo não é.




 A Minha Opinião
 Para além de eu ter achado imensamente igual aos THG, sem aquela parte de matar toda a gente e tal, foi muito previsível. Eu já sabia o que raio ia acontecer ainda antes de acontecer. Até a grande reviravolta do livro, em que acontece algo muito mau a uma das meninas lá no castelo (uma delas quebra as regras), eu já estava a prever desde o início).

 E estou farta de livros com finais que toda a gente já sabe desde a primeira linha. Ela conhece um gajo, mas está apaixonada pelo melhor amigo, eles lutam todos uns pelos os outros, o gajo vai-se embora, ela fica com o melhor amigo, depois o gajo volta, diz que está muito arrependido, ela fica com ele, e o melhor amigo lixa-se. 

 A sério, não podiam ser um bocadinho mais criativos?

 Depois, há a questão de não achar que os livros em si não foram bem construídos.
 Os livros terminam quando os números de concorrentes passam de trinta e cinco para seis e depois para três. Ou seja, estamos a meio de uma cena importante, dum dia importante, e da hora do almoço para o lanche o livro termina e ficamos sem saber mais nada só porque deu na cabeça do príncipe mandar embora quinze raparigas.

 Não faz sentido.

 É como estarem em Português e a vossa tarefa ser dividir um texto em partes lógicas. Reparem que eu disse lógicas. LÓGICAS. Lá porque chegámos ao número mágico, isso não quer dizer que se possa mudar de livro. Existe uma coisa na escrita chamada "End Point" que basicamente diz que fechamos todas as pontas soltas da história ou que criamos um "Hot Spot" or something like that. 

 Basicamente, temos de acabar um livro acabando com tudo o que tem de acabar ou por criar um acontecimento mega importante. Não basta estar a América no corredor e vir uma empregada (sabe-se lá donde ela apareceu) a gritar que vinte e nove tipas foram expulsas da Seleção e acabar o livro por dizer "O jogo acabou de começar".

 Não faz sentido.

 Repito.
 Não faz sentido.

*ao menos as capas são giras*

 Eu sei, eu sei, agora há umas vozinhas lá atrás a dizer que se chama a isso "inovar", fazer "progresso": Mas há uma diferença entre progresso e quebra da narrativa inadequada. E o final dos livros - qualquer um deles - foi a segunda.

 Outra coisa de que não gostei, foi que a América é uma rapariguinha meio estúpida.
 Claro, ela está confusa e não sei que mais, mas estar na cabeça dela irritava às vezes. Ela estava sempre com questões parvas e não sei que mais, e em vez de se decidir duma vez por todas, limitava-se a assombrar o palácio a suspirar, mesmo sabendo que está apaixonada pelo Maxon e que este anda enrolado com mais trinca e quatro raparigas. E ela tem a opção de dizer "SIM!" e acabar imediatamente com aquele concurso, mas ela fá-lo? NÃO! Em vez disso volta a assombrar o palácio e a suspirar, com o coração partido, ou a fingir que gosta das outras raparigas todas e a tomar chá com elas.

 Por favor.

 Mais; a história não foi bem conseguida.
 Um dos principais pontos da trama eram os rebeldes - têm de haver sempre rebeldes nestas coisas. Os Rebeldes andavam sempre dum lado para o outro, a partir coisas e atacar o palácio. E no livro a América e o Maxon fizeram alguma coisa para os parar ou descobrir o que se passava? Again, NÃO! 

 Eu sei, seria cliché a principal e o par amoroso descobrirem as forças rebeldes e pará-las ou unirem-se a elas, e talvez não fosse o dever deles fazer isso, mesmo que eles acabem por ter uma conversa com um ou outro rebelde. Mas a questão é: deixaram de fora um ponto muito importante.

 Ou seja, não se completou o círculo mágico da trama.

 Deixem-me explicar: quando se escreve um livro, estamos lentamente a fazer um círculo. Esse círculo contem no interior toda a informação e coisas que acontecem. Se o círculo fechar, o que tem de acontecer no fim de todas as sagas, então a história terminou e está tudo bem, tudo terminado. Se o círculo ficar aberto, é porque ainda faltam coisas por resolver e que vai haver mais um livro. O que não vai haver, pelo menos não da América, mas sim do querido e doce Aspen.

Os que leram TMI provavelmente vão dizer: isso é mentira, o círculo pode ficar aberto, foi isso que aconteceu na Cidade do Fogo Celestial.

 Deixem-me contradizê-los.
 NÃO FOI ISSO QUE ACONTECEU EM CoHF!



 No último livro dos instrumentos mortais, o círculo DOS PERSONAGENS PRINCIPAIS fechou-se. A história fica em aberto, sim, mas é a história secundária, relativa a personagens secundários ou até mesmo figurantes - a Emma, o Jules, esse rebanho todo.

 Na Seleção, a história dos personagens principais não está completa.
 Os rebeldes foram um dos pontos principais da história, por isso faz todo o sentido eles serem eliminados com o fim do livro. 

 Apesar de todas estas falhas, que eu acredito fielmente que arrasaram com as hipóteses desta trilogia ser "bombástica", a escrita até não é má, e os personagens não estão assim tão mal construídos - para além da personalidade da América que dá vontade de pontapear coisas, e da bipolaridade do Maxon, que nos faz queres esmagar-lhe o crânio.

 Dou três estrelas à trilogia.
 Não recomendo a leitura, acho que se passa bem a vida de leitor sem ter esta trilogia na lista, mas se quiserem leiam e deixem a vossa opinião. Opa, vocês até podem gostar, há gostos para tudo, mas têm de admitir que a história está meio vazia e que os três livros se podiam ter resumido num só.


 Espero que tenham gostado do que leram, desculpem se a minha opinião vos feriu, e se sim, comentem (tudo por comentários, nem que me esfolem quando eu sair à rua).
 Oh, e para quem quer saber, cancelaram a série que supostamente iam fazer desta trilogia. 
 Kisses!

 XOXO 
 Rae

4 comentários:

  1. Wow... tás naquela altura do mês? Pareces nervosa xD
    Fazes dia 17? Hahahaha! Estreia do The Hobbit 3 *o*!

    Essa trilogia também nunca me chamou muito à atenção mas tenho de concordar ctg,... lá que as capas são giras, ai são são!

    Não sei se conheces a série "Vampire Academy". Tenho a certeza que conheces, ou pelo menos ouviste falar ou viste mesmo o filme (cujo o trailer é a pior m**** que existe). É assim, eu vi o filme à tipo, 2 dias? Yeah. Eu gostei, achei interessante e queria saber o que ia acontecer ao romance entre a principal e o par dela. Ora bem, lá fui eu ler mega spoilers sobre isso pq se n terminasse de uma certa forma (tp o final da trilogia Divergente -.-'' que estragou tudo), nem valeria a pena ler para ficar desiludida. Gostei do spoiler e resumindo: Tou já no 3 livro xD!!
    Se nunca leste nenhum, vê o 1º filme e passa logo para o segundo livro. Não leias spoilers porque garanto-te que o desenrolar não te vai desiludir ;)!

    Qto aos comentários... Cara! Assim cê me ofendji! Eu comento em todo post que tu publica cara! Cê tá ferindo meus sentchimentos!

    Haha, faltam 2 semanas para o fim das aulas (finaly)! Diverte-te xD! Vou fazer como a minha prima: EU: "Opa... vou ter agr freq de BCM (Molecular and Celular Biology)..." ELA: "Diverte-te! *joinha*"
    Ironia (quase q escrevia Irina, sabe-se lá pq...!) mode On xD

    Maria - xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria, acabaste de me estragar o próximo post de resenha XD

      Sim, já li Vampire Academy, e o filme matou tudo. O livro é muito melhor, mas considerando a quantidade de informação, é aceitável o filme - e nem foi assim tão mau, tal como o fiasco de Percy Jackson, cujo livro nunca li, e que toda a gente diz que estragou tudo.

      Eu sei que tu comentas, e lamento quase nunca comentar no teu blogue, tenho de o fazer mais vezes - eu ralho com esta gente, mas eu tb não comento porque sou preguiçosa XD

      Convergente matou tudo, eu fiquei de nariz trocido em Insurgente e Convergente acabou com o meu amor à trilogia. Bem, não realmente, mas tu entendeste.

      E não, eu não estava naquela altura do mês quando escrevi o post XD

      Eliminar
    2. Eu adoro ser desmancha prazeres por tanto...!
      O filme tá giro, não em irrites <.<...! O Christian é tp bue giro *o*! Fiquei surpreendida com a escola do ator para o papel de Mason e honestamente, quero que saia um segundo filme! 'Tou curiosa para saber quem é que eles escolheriam para o papel de Adrian xD - outra personagem que me partiu o coração... uma palavra: coitado.

      Pois... eu li o livro Divergente e até é porreiro e tal, mas dps qdo fui ver como é que acabava, fiquei mto desiludida...Então preferi nem continuar para não estragar o primeiro :\... Sério, quem é a autora que no seu perfeito juizo faz aquilo? Sinceramente -.-'

      Eliminar
    3. O filme não está mau... não me interpretes mal. Mas podia ter sido muito melhor! O livro tem toda aquela aura de mistério, suspense e terror e o filme... parece o High school musical com vampiros.
      Não te preocupes com o Adrian, filha, que ele está muito bem em Bloodlines, o spin-off da academia de vampiros! Arranjou uma dama nova, o quebra-corações.
      E o Christian é o nosso novo Jace *suspiros*

      Eliminar